A Escola

A Escola de Altos Estudos

A escola de Altos Estudos em Ciências Criminais com seu “Seminário” é única do gênero na América Latina e foi desenvolvida pelo Prof. Mougenot a partir de experiências exitosas na Europa e no Brasil. Foi pensada para ser não somente um marco divisor na forma de estudo e visão das ciências criminais no Brasil, como também um “think tank”, na medida em que fomentará as bases e ideias para um novo direito penal brasileiro: o direito penal funcional. Traz por escopo “formar formadores” de opinião. Tal direito penal funcional, pautado pela ética e pela e ciência, … Veja mais

O que a escola oferece?

  • Cursos e Palestras exclusivas
  • Conteúdo para aperfeiçoamento online
  • Recomendação de livros e materiais de estudo
  • Metodologia desenvolvida para alta performance

Público alvo

Solicitar inscriçãoMembros do ministério público e da magistratura, como também outros operadores no direito, pós graduandos e pós graduados.

O Fundador Dr Edilson Mougenot Bonfim

  1. Ingresso no Ministério Público do Estado de São Paulo

  2. Promotor de Justiça Titular do primeiro Tribunal do Júri de São Paulo. (1992 a 2009)

  3. Professor do Curso de Especialização em Direito Penal e Processo Penal da Escola Superior do Ministério Público de São Paulo. 
Professor-membro do seminário de Direito Penal Comparado e Filosofia do Direito do Instituto Ortega y Gasset-Madri
. Membro do Conselho Científico da Revista Cuadernos de Política Criminal-Madri.

  4. Doutor em Direito Processual Penal pela Universidade Complutense de Madri-Espanha.

  5. Professor-colaborador do mestrado em Direito da Universidade Federal de Alagoas 
Coordenador nacional do Via Saraiva-Ensino Telepresencial (Editora Saraiva – 2006/2007)

  6. Procurador de Justiça do Ministério Público de São Paulo

  7. Corregedor-Geral do Município de São Paulo (2010-2012) Professor convidado da Faculdade de Direito de Aix-Marseille, França (graduação e mestrado).
Professor “HonorisCausa” da Universidade da Região da Campanha/RS.

COMO PROMOTOR FOI RESPONSÁVEL PELA ACUSAÇÃO NOS SEGUINTES CASOS:

  1. O caso dos justiceiros de Diadema
  2. O caso da viúva negra
  3. O caso do cirurgião dentista
  4. O caso do Maníaco do Parque
  5. O caso da Máfia Coreana

Diagnose e propósito

A partir da primeira metade do século XX, sobretudo com o advento da escola dogmático-alemã de direito penal, houve uma profunda e paulatina modificação na atuação profissional dos criminalistas, reflexo da separação de saberes ocorrida na formação acadêmica, vez que, cada vez mais as disciplinas foram estudadas de forma absolutamente autônomas: majoritariamente, abandonaram-se as acusações e defesas “de fundo” que as formações humanísticas dos antigos profissionais propiciavam, passando-se a privilegiarem-se as acusações e defesas “de forma” (discussão de nulidades processuais, etc.). Assim, os profissionais foram se pautando por um desumanizado e improdutivo tecnicismo, refletindo acusação-defesa um … Veja mais